Entrevista com a banda Skinflint de Botsuana!

As 10 banda favoritas de Giuseppe Sbrana:Iron Maiden, Black Sabbath, Darkthrone, Venom, Bathory, Judas Priest, Nosey Road, Vale of Ammonition, African Doomhammer, Emperor



 1-    Quero agradecer a oportunidade da entrevista. Primeiramente gostaria que falassem um pouco sobre o Skinflint para nossos leitores. Algo mais voltado sobre o início do grupo.
Skinflint: O Skinflint é um trio de heavy metal e somos de Gabarone, Botsuana. A banda foi fundada pelo vocalista/ guitarrista Giuseppe Sbrana em 2006. Tendo recrutado para a formação Kebonye Nkoloso no baixo e Alessandra Sbrana para a bateria. Nós incorporamos elementos da cultura local com Heavy Metal, o que atraiu diversos meios de comunicação internacionais, como a CNN, a tv holandesa, o canal estatal sueco e muitos outros. Nossos discos Iklwa (2010), Gauna (2011), Dipoko (2012) e Nyemba (2014), são homenagens a crenças ancestrais e trazem muitos elementos de espiritualidade, enquanto são tocados na linha do heavy metal tradicional. Para muita gente somos pioneiros em fazer esse tipo de mistura no metal africano. Já tocamos no Quênia, África do Sul e também tivemos turnês bem sucedidas na Suécia.


 2-    Falando sobre o último trabalho lançado por vocês, o “Nyemba” (2014). Parece-me, que esse material teve boa receptividade com selos e zines da Europa e também nos webzines de metal da África o vi sempre com grande destaque. Quais os próximos passos da banda?
Skinflint: Expandir ainda mais a influência da cultura nativa sobre o estilo de “Metal Africano” de nossa música. E também esperamos num futuro próximo uma turnê pela Europa e América do Sul, tendo em conta o feedback positivo que temos recebido do exterior.

 3-    Se fosse para destacar uma música do “Nyemba” (2014) como um “cartão de visita” do Skinflint, qual seria essa música?
Skinflint: The Pits of Wydah


 4- Sobre o EP "Gauna"(2011), teve alguma razão especial para ser lançado pela Legion Of Death ao invés da Pure Steel? Foi escolha da banda o trabalho sair apenas em vinil?
Skinflint: Na época a Legion of Death era a nossa única distribuidora na Europa. Nós entramos em contrato com Pure Steel Records a partir de 2013. A decisão de divulgar o trabalho em formato de vinil foi a da Legion of Death 


 5-    Sobre o que mais gostam de escrever em suas letras?
Skinflint: Ocultismo africano, hostes espiritiais de maldade e guerras tribais.


 6-    Conheci a banda através de um material feito de fotos e vídeos sobre o cenário de heavy metal em Botsuana, mas era algo bem voltado para os fãs locais. Decidi pesquisar na web as bandas. E conheci o Skinflint, isso em meados de 2012. Mas imagino que muita coisa tenha mudado por ai, como está o cenário de seu país? E como é ter uma banda de heavy metal ai?
Skinflint; A cena local não tem crescido muito ao longo dos últimos anos. Isto é devido à ignorância do público em geral e falta de apoio da mídia local. É um desafio ter uma banda de Metal aqui, já que não existem locais dedicados, nem promotores de Rock/ Metal. Mas nós gerimos por conta própria, e amamos fazer o que fazemos.


 7-    O Conquest For Death gravou um clipe para “Many nations One Underground” e colocou cenas de vários shows que fizeram na América do norte, África, Ásia e Oceania, e nesse vídeo os mostra em Botsuana. Gostaria de saber como foi esse contato e o show.
Skinflint: Eles foram uma das primeiras bandas que vieram em turnê para Botswana. É muito bom ver que eles incluíram o show em seu clipe.

 8-    Pessoal, obrigado pela entrevista é uma honra entrevistar bandas as quais tenho grande admiração. Espero que tenham gostado, por favor, deixem suas considerações finais aos nossos seguidores!
Skinflint: Obrigado pela entrevista, e a todos os leitores por seu apoio. Mantenha o fogo ardente \m/.




Música “The pits of Whydad”: https://www.youtube.com/watch?v=bjOBNrMQouk


4 comentários:

Juliano Costa Xavier disse...

Heavy metal é underground na essência. Parabéns Fabitos pela entrevista e ao SkinFlint.

Juliano Costa Xavier disse...

Metal africano!

Juliano Costa Xavier disse...

Metal africano!

Juliano Costa Xavier disse...

Não sei mexer no computador por isso não paro de escrever.