Nota - 8 de Março


Um ótimo dia 8 para todas nós, que façamos dele mais um dia de luta, assim como todos os outros nas nossas vidas. Dias estes nos quais temos que aguentar tantas coisas, nojeiras diversas, entre elas algumas que nos perseguem até mesmo em espaços que vemos e acreditamos como reivindicados pela e para a luta, como o âmbito musical.

Sabem para quê servem as rosas e as mensagens (supostamente) de apoio, que vocês nos direcionam neste dia 8, enquanto continuam a boicotar bandas compostas por mulheres, a boicotar, descaradamente, shows com essas minas (simplesmente por serem minas), assim como, repetidamente e incasavelmente, tentam avacalhar seus trabalhos? Não servem para nada. Assim como, na real, vocês (que fazem isso) também não. ;)

Para o dia de hoje fizemos uma pequena seleção de bandas fudidas compostas por minas! Espero que curtam e, não se esqueçam, a luta continua: apoiem as bandas femininas, bora tomar e fazer tremer os espaços que TAMBÉM NOS PERTENCEM!

~SUPPORT YOUR LOCAL GIRL GANG!~

(clique nos nomes das bandas para ouvir suas músicas)

ESTAMIRA


REVIVIR HC


NERVOSA


PANNDORA


VOCÍFERA


GIRLSCHOOL


BIKINI KILL



Hoje optamos por compartilhar algumas bandas compostas apenas por mulheres, mas há diversas outras compostas totalmente ou parcialmente por minas, entre elas Manger Cadavre?, Disforme, Miasthenia, a Torture Squad, com a Mayara Puertas (ex-Necromesis), entre tantas outras. Deixo para vocês a página The Female Vocalists of Extreme Music, que conta com uma lista muito legal de bandas de metal extremos que contam com minas na sua composição, e, abaixo, um documentário muito legal sobre as minas no metal brasileiro. ;)






Entrevista com a banda Arandu Arakuaa!




RxTx (Fábio) - Primeiramente gostaria de agradecer por toparem fazer essa entrevista conosco: é uma grande honra. Gostaríamos de pedir que fizessem uma breve apresentação da trajetória do Arandu Arakuaa.
Arandu Arakuaa (Zândhio)  -  Arandu Arakuaa (saber dos ciclos dos céus, Tupi), mesclamos heavy metal, música indígena e regional brasileira, com letras na língua Tupi, Xerente e Xavante.
Contamos com um EP "Arandu Arakuaa - 2012” e dois álbuns “Kó Yby Oré - 2013” e “Wdê Nnãkrda – 2015; três vídeos clips e dois lyric vídeos. Já nos apresentamos em festivais como Agosto de Rock (TO); Femme Festival (GO); Ferrock (DF); Porão do Rock (DF), THORHAMMERFEST(SP), Fórum Mundial de Direitos Humanos, dentre outros.
Nájila Cristina (Vocais/Maracá), Zândhio Aquino (Guitarra/Viola Caipira/Vocais/Teclado/Instrumentos Indígenas), Saulo Lucena (Contrabaixo/Vocais de Apoio/Maracá) e Adriano Ferreira (Bateria/Percussão)

RxTx (Fábio) - Sobre os álbuns e materiais gravados, o álbum de estreia foi Kó Yby Oré (2013). Quando esse material foi lançado chamou muito a atenção pela língua cantada, as letras e a sonoridade. Como foi dialogar com toda essa proposta nesse primeiro trabalho? 
Arandu Arakuaa (Zândhio) – Em 2012 havíamos gravado o EP de estreia, mas Kó Yby Oré foi realmente a primeira oportunidade de materializarmos o que tínhamos em mente. Na verdade ele foi muito além de nossa expectativa tanto na parte musical quanto da divulgação e aceitação por parte do público e crítica.
É um disco com material composto em diferentes épocas, mas mostra bem como a banda soava naquele momento, o produtor Caio Duarte soube tirar o melhor de cada um de nós.
Creio que Kó Yby Oré seja o típico primeiro álbum, onde são mostrados os elementos básicos da proposta da banda para serem aperfeiçoado nos trabalhos futuros. Por mais que ele tenha uma certa complexidade musical ainda assim soa direto.

RxTx (Fábio) - Em Wdê Nnãrkrda (álbum de 2015), vocês trazem a música "Povo Vermelho" que já traz a presença da língua portuguesa na canção. Para trabalhos futuros pretendem trazer novamente essas músicas cantadas em português?    
Arandu Arakuaa (Zândhio) – O conceito dessa música nos levou a cantá-la em português, mas não pensamos ainda sobre fazermos isso no futuro. Também usamos uma música infantil e uma instrumental para cada disco, no Wdê Nnãkrda temos quatros músicas sem guitarra, bumbo duplo e vocal gutural. Pretendemos continuar lançando mão de toda essa diversidade de linguagens musicais, mas não fazer disso uma regra.



RxTx (Keyla) - Além de escrever letras sobre mitologia e outros aspectos da cultura indígena, há alguma “letra-protesto” sobre a situação de alguma etnia ou sobre o que os indígenas passam atualmente no país?
Arandu Arakuaa (Zândhio) – Música com essa pegada de protesto tem “Povo Vermelho” no Wdê Nnãkrda e “A-î-kuab R-asy” no Kó Yby Oré, em algumas outras isso aparece de forma sutil, porém até o momento nenhuma música fala de questão política específica de um povo, até porque os problemas da maioria dos povos indígenas neste campo são bem parecidos.
Procuramos escrever na estética da música indígena; falando de seus costumes, crenças, vivências e contato com a natureza.

RxTx (Keyla) - Vocês já se apresentaram no evento Thor Hammerfest, em São Paulo, com as bandas Scythia do Canadá e Manegarm da Suécia. Como foi essa experiência? Foi a primeira vez tocando para o público paulista? 
Arandu Arakuaa (Zândhio) – Nossa primeira vez em Sampa. O público foi um dos mais insanos e receptivos para o qual tivemos o prazer em tocar.
Nesse show teve a participação do ator Matheus Nachtergaele gravando uma cena para uma série sobre a vida e obra do lendário Zé do Caixão que foi transmitida pelo canal de TV Space.

RxTx (Keyla) - Tomando como referência o nome do evento, que é em alusão à um deus da mitologia nórdica, como foi a recepção do público para com uma banda que toca sobre mitologia indígena? Como vocês enxergam essa aproximação?
Arandu Arakuaa (Zândhio) – Foi nossa primeira vez em um festival com essa temática e tínhamos pouca informação sobre as bandas que lá tocaram. Em momento algum tememos reação negativa, sabíamos que uma grande parte do público iria lá para prestigiar nosso trabalho e foi o que de fato aconteceu. Também se rolasse reação negativa iríamos descer o farrapo no som do mesmo jeito haha.
Nosso foco é divulgar e exaltar nossa cultura nativa e não temos qualquer influência musical ou estética dessas bandas. Porém, vejo essa aproximação do público como natural e saudável, obviamente qualquer pessoa pode se identificar com propostas artísticas distintas.

RxTx (Keyla) - Entrando em um aspecto mais político (e fiquem à vontade ao máximo para com esta resposta), o que vocês pensam sobre a nomeação de Kátia Abreu (PMDB) para ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento?
Arandu Arakuaa (Zândhio) – Encaramos isso com um grande retrocesso nos direitos dos povos indígenas e consequentemente na questão ambiental.
Aliás, sempre que me perguntam o que há de pior em Tocantins, meu estado natal, falo que é a Kátia Abreu.



RxTx (Fábio) - Queria agradecer a atenção. Temos acompanhado com bastante entusiasmo os materiais da banda e esperamos nos ver em shows em breve! Por favor deixem suas considerações finais.  
Arandu Arakuaa (Zândhio) – Agradecemos imensamente pelo espaço cedido e esperamos tocar ao máximo possível e ter esse contato direto com nossos apoiadores.
Em breve estaremos lançando um novo vídeo clip. Fiquem de olho em nossos canais oficias e em outros projetos dos quais fazemos parte.

Arandu Arakuaa nas Redes Sociais:
Facebook:  https://www.facebook.com/aranduarakuaa
Youtube: youtube.com/aranduarakuaa
Soundcloud: https://soundcloud.com/aranduarakuaa
Contatos para Shows:
E-mail: aranduarakuaa@gmail.com
           Projetos que fazemos parte:
Levante do Metal Nativo: https://www.facebook.com/levantemetalnativo/
Vozes Ancestrais: https://www.facebook.com/Vozes-Ancestrais-955501374485591/

Racismo e combate. As opressões e resistências no rock.

Uma coisa que desenvolvi ao longo dos anos com minha formação em história e minha atuação como professor da rede estadual em São Paulo, foi a questão de tomar cuidado em sair gerando conteúdo de forma irresponsável e superficial. Gerar mais paradigmas não só é grave como empobrece o debate.
Convenhamos, é o que mais vemos em rede social, essa irresponsabilidade de informação e conteúdo: o cara faz um meme machista na comunidade de RPG, apaga e diz que foi mal interpretado, aí outra página reproduz algum estereótipo imbecil sobre a URSS, como “6milhões de mortos na Albânia no governo do Stalin” enquanto o país não tinha 2 milhões de habitantes, ou a clássica sobre a presidenta Dilma que supostamente  vai mandar “bloquear” a internet no país... Como isso tudo é frustrante!
Entretanto, parece que a galera que gera conteúdo não deve se preocupar nada sobre isso, o lance é promover sensacionalismo barato por aí e só ver meios de buscar visualizações desesperadamente, criando um nicho de mercado e de seguidores que, no máximo, conseguem basear suas opiniões em memes. Afinal a informação, que deveria ser um direito humano, é uma mercadoria, mesmo que gere conteúdo ofensivo.
Eis que essa semana me deparo com um texto, que em algum momento tenta ser crítico, sobre a posição racista de Phil Anselmo (Pantera, Down) e no fim reproduz uma visão estereotipada pautada na leitura de rock de mercado com base nas experiências do autor com o rock. Pois bem se é para cair nesse relativismo de “vivência”, eu acho que posso destacar algumas, afinal fui produtor de shows, alguém que participou e ainda milita em movimentos sociais, estudantis e sindicais, palestrei sobre o heavy metal na Semana de História da universidade na qual me formei e convivo cotidianamente com gente de várias bandas punks e de heavy metal.
Meu primeiro show fora da minha cidade e que era um que não havia sido eu o produtor, foi em Salto, no festival chamado Metal For All. Um festival bem na contramão do mercado, voltado a bandas undergrounds de sons autorais. Ok, ok, não havia discurso de revolução e nem nada, como também não havia nos shows de rap, blues, tango que já fui (e também, se houvesse, não seria mais que um cartaz, algum discurso de vanguarda). Mas vamos lá. O que me chamou a atenção dessa edição em particular do MFA era a presença de uma banda que havia me deixado “apaixonado” por umas entrevistas, o Violator. Eu estava acabando de me permitir curtir thrash e essa banda tinha acabado de rejeitar a proposta de uma das maiores gravadoras de heavy metal do mundo alegando não transformar sua arte em produto e não abrir mão de coisas como círculo de amigos, entre os quais Antonio Roldão, da Kill Again Records, que era quem fazia os lançamentos do Violator.
Durante o show, posso dizer que me perdi de vez ao thrash, a energia era demais. A forma como as bandas conversavam com o público, vendendo seu próprio material ali entre bate-papo e fotos... Ainda destaco a posição da banda, que é bem conhecida no underground por seu lado politizado e militante, ante mesmo à seus fãs quando estes cometem algum comentário machista, racista e homofóbico em sua página ou mesmo no FB de algum dos integrantes. Fora os intermináveis discursos do vocalista Pônei em não coisificar a vida, os amigos e os ideais. Outro show que foi muito marcante nessa trajetória e mudaria minha vida foi outra edição do Metal For All que trouxe os caras de Blasthrash e BrainDeath. Dali, conhecendo mais alguns integrantes dessas bandas e começando a trocar ideias com eles no antigo Orkut, foi que percebi de vez que no Brasil haviam malucos que, assim como eu e meus amigos, acreditavam em um heavy metal intenso e humano, e foi do Braindeath que fomos buscar um de nossos melhores amigos e um dos mais importantes colunistas e companheiros na luta do RxTx, o Felipe Nizuma.
Mas, enquanto fala de vivência no rock, eu fico pasmo dos caras citarem um colunista da Folhateen (mesmo?!) que diz “as únicas coisas boas já feitas em nosso país eram Racionais, Mutantes e Sepultura”: isso é provar que o cara que escreveu isso não entendeu o que é rock! Em geral quando vejo entrevistas de bandas não é raro comentar a importância de um artista ou gênero musical FORA do rock na sua música (Sepultura fez e faz muito isso), e é muito comum ver os caras destacarem a música nacional! Falo de caras como o Angra em escolas de Samba, dos caras do Claustrofobia, do Krisiun e até comumente vejo na página de um Semblant, Torture Squad e Cangaço. Ainda temos o Arandu Arakuaa, que traz a imensa influência musical indígena em seu death metal, pela vivência de seu vocalista ao lado da tribo Xerente em Tocantins. Isso me restringindo a poucos nomes do metal, mas, tudo bem, só acho complicado ainda estarmos correndo atrás do cara que disse “rock é o melhor estilo musical”, e na real? Se pra ele é, é. Como em qualquer estilo/ gênero musical.
No próprio RxTx nós saímos há tempos do marasmo de escrever sobre “Stones, Nirvana, Ramones e RATM” e passamos a criar um elo de amizade e divulgação de bandas de vários contextos, não falando somente de música, mas sim de visões de mundo, projetos socioculturais e principalmente de pessoas, afinal vemos o underground de uma forma geral como “uma grande rede de amigos”. Entrevistamos o Skinflint, de Botsuana, país da África Subsaariana, que faz um som a la Iron Maiden com Motorhead, com uma pegada de música nativa e letras sobre o que eles entendem ser legal de destacar de sua cultura, assim como cultivamos contato com o Resistant Culture, uma banda composta por indígenas dos EUA e que toca um grindcore bem intenso, assim também como trouxemos membros do Mito da Caverna e do Braindeath, bandas do Estado de São Paulo, escrever conosco.
Não obstante, entrevistamos o François, professor de história, como eu e a Keyla, e que toca em uma banda importante do underground francês, o Hurlement, assim como o The Force, do Paraguai, foi outra que apareceu por aqui e falou da repressão policial em seu país. Há as meninas do Pandora, banda nacional só de garotas, em uma matéria que fizemos em conjunto com as postagens da Keyla sobre dia internacional da mulher. Antes ainda do RxTx,, quando eu chamava o projeto de Eco Rock 07, conheci Jeff Brenes, doutor em antropologia na Costa Rica que me contatou para divulgar o documentário que realizou sobre sua tese de mestrado (cujo tema era metal extremo e a ligação do som extremo com o cenário político-social da América Latina). O nome do documentário é “Cadáver Exquisito - la cultura Metal en America Latina”.
Por incrível que pareça ele e o Andreas, doutor em música pela Universidade de Buenos Aires e na época músico da Dark Templar (um gothic metal), curtiram alguma maluquice no Myspace de um Fábio com não mais e 17 anos e apaixonado por Marx e heavy metal. Sabe, no undeground, de uma forma geral, mesmo longe desse “rock nacional” de Faustão e das grandes gravadoras, tem muita gente metendo a cara fazer som, apoiar a banda do amigo , militando, organizando coletivos e seus festivais e tours. É verdade, existem contradições (a galera “descobre” isso e parece que está pisando na lua, se sente super rebelde), e que pobre é essa leitura de “ah, no underground não pode”: a música, queridos, não é militância política, não é partido e não há fronteiras. É natural que por ela transite todo tipo de pessoa. Pessoas como Jeff Brenes, Sandra Sbrana, Phil Anselmo, Augusto Miranda, Lemmy, Rob Halford, Edith Cooper...
É claro que é particularmente legal quando é feita música engajada e politizada, mas não é o seu cerne (isso nós fazemos em movimentos sociais, em grupos de formação e, convenhamos, há até movimentos que usam música despolitizada e às vezes até machista – como foi “Ai se eu te pego” do Michel Teló - como base de um hit de protesto, talvez pelo lado mais “popular da música” ou uma forma de se apropriar e reverter essa lógica), e quando me refiro sobre a música não precisar ser politizada, cito o caso de Bob Dylan, destacado por Hebert Marcuse da Escola de Frankfurt. Quando fala da arte na sociedade unidimensional, Marcuse destaca a capacidade do músico em se reinventar. Quando todos esperavam mais um disco politizado Bob Dylan, elegravou algo sobre... Amor. Falar de política naquele momento seria seguir uma tendência de mercado, o discurso comum que todos esperavam dele, continuar no marasmo de não se reinventar... O que seria mais unidimensional?
A MPB é música brasileira e devemos exaltá-la por essa razão? Ser brasileira? Sério? Parece-me um discurso nacionalista, de “valorize a cultura de seu país e ignore a do outro”, ainda mais destacando que muitos membros dela não se viam bem como parte de um movimento político como às vezes entusiastas inflamam essa narrativa da história. Em 1973, Gilberto Gil aceita um convite de estudantes da USP (após convencimento do "Chinelo" - os estudantes tinham e usavam esses codinomes), e com seu violão vai fazer um show de meia hora, que na verdade se converte em 3hrs de show! Bate-papo com os estudantes sobre arte, política e ativismo. Toca uns sambas e uns rocks. Os estudantes aproveitam e falam da morte do Alexandre Vanucchi e das prisões de mais de 33 estudantes, sendo que 29 estavam soltos e outros 4 ainda estavam presos e sendo torturados entre eles o querido Adriano Diogo, o "Mug". Veja que nenhum momento essa iniciativa parte do Gil, apesar de nessa época estar mais ligado à galera da linha de frente das músicas populares de protesto como Chico Buarque.
Essa ele (Gil) conta (no show de 73):
" – Vou cantar um rockinho que eu fiz para um amigo meu, pra uma bicha baiana, maravilhosa, artista plástico. Ele canta também. Um dia chegou para mim e disse assim: ‘quero que você faça uma música para mim, assim, parecida com Alice Cooper. Quero pintar misérias, fazer misérias no palco.’(...)"
Como conta no livro de Caio Túlio, nesse mesmo show Gil fez críticas a essa “coisa de música de protesto”.
Entretanto, a citada pelo autor (MPB), volta e meia carrega ares elitistas e classicistas bem longe dos shows de R$5,00 e das músicas tocadas por aqueles que não podem pagar por bons professores e cursos de violão ou outro instrumento, além do mais esse nacionalismo de “defender a cultura nacional” foi uma linha de frente bem articulada na ditadura (coisa que a MPB confrontou), assim como no rap (outro estilo musical que curto muito) tem gente com pé bem fincado no machismo (lembrando que em vários raps nacionais o termo “estuprar” não é tão incomum, na verdade, às vezes, é verbo); e existem diversos grupos de rap feministas que contestam isso, assim como as mulheres no rock cada vez mais contestam o “machismo” que se faz presente em algumas bandas, em algumas cenas e em muitas falas – isso se chama resistência e no rock temos também.
Se o racismo se faz presente no rock, não é ele sua raiz. A música é a expressão das sociedades que em muitos contextos é racista, é classista, violenta e opressiva. Isso nós vemos e repudiamos no cenário do rock (como de uma forma geral na sociedade). No nosso meio não raramente somos taxados de chatos, de moralistas, politicamente corretos, “intelectualóides de esquerda” até pão com mortadela já fomos acusados de receber (não é atoa que a maioria das pessoas que nos lê são nossos ex-alunos e não nossos amados “roqueirões true” conservados em casca de ovo de cobra). Nada disso importa ainda mais quando temos algo sério a perder.
 Entretanto também há várias alternativas e quem apresente projetos distintos (como os citados no texto e grupos como o RxTx, composto por mulheres, negros, brancos do proletariado que se focam em um projeto de sociedade e ativismo e metem a cara pra fazer as cosias e militar. “Metal, ativismo e resistência” ). Não existem barreiras definidas, nem no underground nem em qualquer espaço, que inibam a transição de ideias da Casa Grande e Senzala ou mesmo de valores moralistas/ tradicionalistas que entendem LGBT e mulheres dentro de espaços próprios mas nunca na vanguarda ou em espaços alternativos. Mas sempre haverão aqueles que resistem e contestam com unhas e dentes essas visões.
Não é porque ouviu DER ou Comando Nuclear que o cara terá um lampejo e superará sua formação dentro dessa sociedade ignorando o contexto e a história de opressão, no máximo ajuda um pouco ler alguma letra ou ver algum posicionamento da banda. Mas, em geral, não muda nada, por mais que as bandas tragam consigo posições bem claras de rejeição e enfrentamento de tais posições. E quantas dessas pessoas e integrantes de bandas eu vejo se digladiando com fãs, amigos e familiares por sua visão humana/social.
A questão é justamente essa. Se não podemos negar a historicidade perversa e cruel que carrega os pesos da colonização brutal promovida pelo branco europeu (algo que o Brutal Morticínio e o Myasthenia falam) e seu “sentido da colonização” (Caio Prado Jr. disserta sobre a lógica de abastecer os mercados na Europa com extrações violentas nas colônias), da nebulosa ditadura civil-militar (o Torture Squad gravou um álbum brilhante, que contou com um historiador ajudando nas referências) até a conjuntura de hoje, o que podemos fazer é repudiar, contestar, desafiar e se fazer pensar sobre, em um processo contínuo de resistência.
O autor ainda lança um desafio: sobre frotmans de bandas nacionais negros e nordestinos dos anos 80. Eu me indago: porque raios precisam ser dos anos 80? É algum saudosismo da época em que faziam “música de verdade”? Os anos 80 trazem ainda resquícios de uma música popular elitizada, é um contexto no qual a população pobre começava a superar os impactos do “milagre econômico” dos militares e estariam entrando em um neoliberalismo brutal. A classe trabalhadora mal tendo o que comer, é óbvio que haveriam raríssimos casos de músicos negros e nordestinos no rock. Já parou para pesar quanto custa uma bateria das mais simples? O underground nacional não veio de berço de ouro. E pela conjuntura não é difícil entender que a população negra ficou de fora mais intensamente nesse processo de formação de bandas.
  Mesmo assim o underground trazia jóias, independente da Folhateen (^^),  e, respondendo o desafio, eu gosto muito do Headhunter DC, da Bahia, um death metal ferradão; ainda da Bahia tem o Mystifier, black/death metal que trazia Beelzeebubth (Armando da Silva), um negro no baixo... Sobre mulheres no rock temos o Volkana, do DF, uma banda de heavy/thrash só de mulheres. E vou destacar de novo: eu ainda nem entrei na parte de punk e hardcore, que ainda trariam coisas lendárias como Cólera, banda punk de São Paulo.
E das bandas atuais, posso citar várias bandas do nordeste! Blasfemador, Carcará, Escarnium, Jack Devil, Arandu Arakuaa, Cangaço, o próprio Headhunter está bem ativo, algumas com integrantes negros, outras com indígenas, assim como com mulheres, como Semblant, Pandora, Nervosa, Ecliptyka, Fire Strike e tantas outras bandas.
Assim como a luta de classes transcende fronteiras e a condição de explorado do proletariado idem, o underground e o “faça por você mesmo” segue esse caminho do internacionalismo, com uma pegada mais anárquica provavelmente, porque DIY é algo que vem do punk. E sobre esse caráter internacionalista, não tem espaço para nacionalismos baratos e piegas. Como o proletariado se confronta com lumpemproletariado, com a burguesia, com seus valores sobre pátria, família, seu imperialismo, seu racismo, seu machismo... O rock vem lutando há anos, no seu próprio espaço. Como eu mesmo disse no RxTx sobre Robb Flynn, ele não é o salvador do dia, e não foi o primeiro dentro do estilo a fazer isso (contestar declarações racistas), mas foi alguém de uma banda mais inserida na indústria que fez isso... Talvez por isso seja novidade para quem acompanha pela mídia, essa contestação nesse espaço em disputa (que, por sinal, quer coisa mais anti-dialética, anacrônica e paradigmática que pensar em espaços sem disputa na nossa sociedade? E que o rock seria esse espaço? Tcs, tcs,tcs...).


O rock não vai salvar o mundo, não vai fazer a revolução (e é bom destacar que em momento algum eu disse isso) e convenhamos é um espaço com racismo bastante difundido, mas enquanto houverem espíritos de adolescentes buscando refugio na música dos inconformados, ele vai estar lá, com suas resistências, independente do contexto social. Certa vez Felipe Nizuma disse em uma entrevista do RxTx pela banda Urutu e Braindeath: “Faça por você mesmo, juntos, como na luta de classes”. Um importante pensador e militante do movimento negro nos EUA, Malcolm X, entendia que para superar as opressões sociais (no caso o foco do autor era o racismo) era preciso derrubar o capitalismo. Ignorar as resistências não só não dialoga com essa ideia dele como abraça fortemente o pensamento tradicionalista de “sem disputas”. Nossa aposta é em ter práxis consistente e coerente, e, de vez em quando, contestar conteúdo problemático e generalista de internet.