Entrevista com a banda Red Front


A banda paulistana Red Front, que faz um som thrash mais elaborado, recentemente nos concedeu uma entrevista. Oscar e Léo nos contaram um pouco da história da banda, de sua ideologia e sobre o que tentam passar ao público com a letra de cada música e a cada apresentação. Segue abaixo a entrevista, enjoy!



Fábio Tardelli – Pessoal, gostaria de lhes agradecer por nos concederem esta entrevista! E indo direto ao ponto, quais seus planos para a banda nesse final do 1° semestre de 2011?

Oscar: Primeiramente obrigado pela oportunidade, é um prazer pra nós do RED FRONT conversar com vocês.
Os planos da banda para o primeiro semestre são tocar sem parar por todo o território nacional e se firmar com o novo baterista. Temos também a seletiva do wacken no roça’n’roll e esperamos representar bem SP na final e trazer o caneco pra casa hehehehe. Para o segundo semestre pretendemos tocar em alguns países da America do sul e fazer a nossa tour pelos EUA (q irá acontecer ou no final do ano ou no começo de 2012)
Léo: Nós ainda estamos bolando a campanha “Diga Sim ao Cigarrinho de Artista” que será lançada na marcha da maconha desse ano uahuahhaa além claro de todas as outras coisas que o Oscar explicou.

Fábio – A banda tem se destacado muito por um forte investimento em divulgação como distribuição de demos, entre outras coisas do gênero que a banda leva em seus shows. As idéias desse marketing todo vem de onde?

Oscar: As idéias de marketing normalmente sou eu que trago para a banda (gelatina RED FRONT, malhação do boneco emo, garotas semi nuas no palco, etc) sempre tenho essas ideias por causa da cachaça hehehehehe, fico bêbado e saio pensando em qual será a próxima merda a ser feita. Só para vocês terem uma idéia quando criei a gelatina RED FRONT eu tomei 1 litro dessa merda pra testar, no dia seguinte deveria acordar as 10h para ir trabalhar, mas acabei acordando as 15h completamente bêbado. Subestimei o poder da gelatina hahahahahahhaha.
Léo: O KISS tem o Gene Simmons, a gente tem o Oscar auhauhahua, a distribuição da DEMO por exemplo é uma forma de presentear a galera que vai aos nossos shows e continua apoiando o Metal Nacional!

Fábio – Na resenha feita pela Rodie Crew em 2010, o Red Front teve grande destaque, e o termo “metal atitude” apareceu nas 2 ocasiões. Para vocês o que seria uma postura adequada em termos de “atitude” em relação às bandas de nosso Estado?

Oscar: acho que esse termo surgiu porque em nossas apresentações valorizamos muito a energia. Gostamos de agitar bastante quando tocamos, afinal estamos fazendo o que mais dá tesão na vida que é tocar. Ainda por cima estamos tocando um estilo agressivo de música, então não tem fundamento ficar no palco como se estivéssemos tocando MPB.
Léo: Nossa maior intenção é fazer com que a galera se divirta junto com a gente, nossos shows servem como uma válvula de escape pra galera, se você está puto com alguém ou alguma coisa e só entrar na roda que você acalma, se você quer ouvir umas besteiras e zuar os coloridos nossos shows são o seu lugar!



Fábio – Gostaria que você escolhesse uma letra do Red Front e nos indicasse como uma letra que reflete a ideologia da banda, e por favor comente um pouco sobre ela!

Oscar: isso quem poderia falar melhor é o Leo, pois ele que escreve a maioria das letras da banda, eu cuido somente da parte instrumental. Mas acho difícil escolher uma letra especifica para mostrar a ideologia da banda, pois temos letras que falam desde assassinos em serie até letras que falam de briga de bar. A idéia da banda é mostrar os problemas do homem e as merdas que eles andam fazendo. Mesmo assim também gostamos de falar sobre temas não tão sérios como bate cabeças, mulheres, etc hehehehe
Léo: Bom eu acho que a Institutions Down pode refletir melhor a nossa visão de mundo, ela fala das instituições falidas que nós temos e de como tudo conspira para que você não consiga fugir disso, essa letra defende que você é capaz de fazer a diferença, não está satisfeito? Então grite! Você quer algo diferente para sua vida? Então faça! Só você pode mudar a sua história e o mundo ao seu redor, basta ter iniciativa!

Fábio – A cidade de São Paulo tem ótimas bandas novas como vocês, Woslom, Selvageria, Nuclear Decimation, Slaves e tantas outras. Mas sempre que converso ali ou aqui, com bandas daí vem a questão do excesso de covers ai. Qual a posição do red Front a respeito?

Oscar: somos totalmente contra os covers, eles são o câncer da nossa cena!! Lógico que apoiamos bandas de som próprio que prestam um tributo e tocam 1 ou 2 covers, mas ter uma banda 100% de cover me desculpem mas é muita chupação de ovo. Cover é gozar com o pau dos outros.
Léo: Creio que as bandas tributos servem para você demonstrar todo o seu amor por uma banda que marcou sua vida, mas a nossa cena precisa de vida nova, como você mesmo disse nós temos ótimas bandas de som próprio, fazendo um trabalho fantástico, se você quer ver o Metallica compre um DVD do Metallica, agora se você quer que o metal cresça no seu país apoie as bandas do seu país.

Fábio – Das bandas com quem vocês já dividiram o palco, você poderia nos citar algumas que lhe chamaram a atenção de forma positiva?

Oscar: já tocamos com inúmeras bandas boas e com certeza essas que você citou são grandes nomes dentro da nossa cena. Não vou citar outros nomes porque temos muitas bandas amigas e com certeza iríamos esquecer de alguma (maconheiro é foda hahahaha) e isso seria sacanagem hehehehe.
Léo: Poxa eu gosto muito do trampo de bandas como Woslom, Ace 4 Trays, Kliav, Forka, não da pra citar todas uahuaha e esquecer de algumas é uma puta sacanagem como disse o Oscar, nossa cena realmente é uma das melhores do mundo, com bandas sensacionais!

Fábio – Qual a meta da banda em termos de conquistas?

Oscar: lógico que a meta da banda é sexo, drogas e rock’n’roll. Afinal o cabra só trabalha pra correr atrás dessas 3 coisas hahahahahahahahaha.
Léo: AHUHAHUA eu quero fazer muito sucesso e gastar tudo em jogo e prostitutas!
Brincadeira, nós queremos é o reconhecimento pelo nosso trabalho, nada nos vale mais do que chegar em um lugar e ver a galera toda cantando Circle of Hate junto com a gente, ou então ver que nosso som está chegando a lugares em onde a banda nunca esteve, esse é nosso grande objetivo, conseguir fazer com que a galera goste do nosso som e que eles sempre se divirtam nos nossos shows, as mulheres, o cigarrinho do capeta e todo o resto são simples consequências de um trampo bem feito!!!

Fábio – Pessoal obrigado pela entrevista, é muito gratificante para nós podermos trabalhar com underground e ter oportunidades como essas. Por favor, deixem um recado para nossos seguidores!

Oscar: gostaria de agradecer pela oportunidade e parabenizar vocês pela luta pelo underground nacional, são pessoas como vocês que fazem a nossa cena continuar viva. Acessem nosso site e ouçam nosso som, se curtirem adicionem o RED FRONT nas redes sociais pra gente trocar uma idéia (www.redfront.com.br) E quando der apareçam num show nosso pra provar a gelatina red front. Abração ai bangers!
Léo: Bom Valeu mesmo pelo espaço, gostaria de agradecer a toda a equipe e aos leitores do Resíduo Toxico, vocês é que nos dão força pra continuar quebrando uns pescoços por ai!!!
VEJO VOCÊS NA RODA EM GALERA!!!!

0 comentários: